• REMEMBER
  • MUSAS, BICHOS E OUTROS SERES EXTRAORDINÁRIOS
  • LAYERS
  • INSOMNIA
  • LAPSO DE TEMPO
  •  

    A utilização de várias fotografias na “mesma imagem” tem-me vindo a interessar enquanto meio de transmitir diferentes emoções, potenciadas pela confrontação ou complementaridade entre as diversas fotografias.

    “São precisos dois para dançar o Tango” é um corpo de trabalho, constituído por dípticos em que as fotografias, colocadas lado a lado, dialogam entre si, propondo um nível de comunicação mais construído.

    A sua interacção muitas vezes reforça o mistério, os sentimentos ou o confronto entre diversas abordagens, atitudes ou culturas. Noutros casos coloca frente a frente tranquilidade e tensão, relacionando natureza e urbanismo, causa e efeito, sugerindo o início e o fim de um ciclo.

    Persuadindo o observador através de um caminho mais significante, tentam descodificar simbologias e destacar o equilíbrio, a força, a dúvida, a solidão, a alegria, o amor ou a busca do Éden.